sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

AS CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DO FRACASSO ESCOLAR

FACULDADE DE ROLIM DE MOURA – FAROL












AS CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DO FRACASSO ESCOLAR


AUTORAS: ANA MARIA BORGES SALES
TATIANE LIMA DA SILVA






















JI-PARANÁ - 2008
FACULDADE DE ROLIM DE MOURA – FAROL
CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU












AS CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DO FRACASSO ESCOLAR


AUTORAS: ANA MARIA BORGES SALES
TATIANE LIMA DA SILVA











Apresentado na disciplina de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), no curso de pós-graduação da Faculdade de Rolim de Moura, orientado pelo professor Dr. Eduardo C. Franco Rosell.






Espigão do Oeste - 2009
AS CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DO FRACASSO ESCOLAR
Ana Maria Borges Sales[1]
Tatiane Lima da Silva[2]

RESUMO: Demonstra as experiências vividas por profissionais de educação. Através de uma pesquisa de campo com educadores e educandos constatamos as causas e as conseqüências que levam o educando ao fracasso escolar, sendo necessário, porém, a adoção de outras medidas, para que se possa amenizar a evasão escolar e garantir a qualidade de ensino.


Palavras-chave: Fracasso escolar; inclusão; soluções.

1 INTRODUÇÃO:
Este trabalho propõe-se a relatar a pesquisa de campo através de entrevista com educadores e educandos, para conhecermos as causas e as conseqüências do fracasso escolar. Pesquisado em novembro de 2008, entre 260 educandos entrevistados, cerca de 15% deles não atingiram o sucesso escolar no ano letivo de 2008 na educação básica e fundamental. Embasado nesses resultados podemos propor atividades diferenciadas para que possamos reduzir o índice do fracasso escolar (a repetência e a evasão escolar).

2 EM BUSCA DE SOLUÇÕES PARA O FRACASSO ESCOLAR

A questão do “fracasso escolar” é um dos assuntos mais debatidos nas reuniões pedagógicas. Esse interesse pelo assunto se deve pelo aumento expressivo de alunos que não obtém progressos em sua vida escolar, fazendo dessa forma aumentar o número de educandos que são retidos nas séries iniciais.
Buscando respostas os educadores voltam ao cenário brasileiro da década de 60, cujos princípios estavam alicerçados em teorias da escola nova desenvolvidas nos EUA e Europa. Em contraste ao ensino tradicional. Já na década de 70 preocupou-se pela qualidade do ensino como forma de minimizar a questão do fracasso escolar. Todavia na metade da década de 80, pesquisas atribuíam aos professores a responsabilidade pelo insucesso dos educandos.
Para se ensinar a turma toda, temos de propor atividades abertas e diversificadas através de pesquisas, registros escritos e falados, debates e outros.
Criar contextos educacionais capaz de ensinar a todos os alunos demanda uma reorganização do trabalho escolar. O projeto pedagógico escolar é uma forma de envolver professores, educandos e as famílias em torno de um objetivo, levando em conta as experiências e o s interesses da comunidade escolar.
A ação pedagógica deve valorizar as inteligências múltiplas e sua identidade sócio-cultural.
Talvez seja este o nosso maior desafio: fazer da escola um lugar em que cada um vai para aprender coisas úteis, para enfrentar e viver a vida como um ser livre, criativo e justo. Fazer da escola o local do encontro com o outro, que é sempre e necessariamente diferente.
A prática educativa por meio do acesso ao conhecimento deve buscar a inclusão social e a permanência do aluno na escola combatendo a evasão e a repetência e levando a promoção da auto-estima do aluno.
O fracasso escolar não pode não pode ser imputado integralmente aos educandos. Professores, pais, a escola e a organização escolar são fatores imprescindíveis no processo educativo.
Quando o professor aplica métodos ativo de ensino deve ter clareza que somente são válidos se estimulam a atividade mental dos alunos. Ao invés de adotar a máxima “Aprendendo fazendo”, deve adotar esta outra: “Aprender pensando naquilo que faz”. (Libâneo (1990, p.124)).
O papel da pesquisa deve ser voltado para o interesse dos educandos, investigando o que eles pensam, gostam e fazem, desenvolvendo atividades ou materiais potencialmente ricos que levem os educandos a aprender ludicamente e a descobrir múltiplas inteligências, ou seja, possibilitando o desenvolvimento da criatividade, da qualidade do ensino.
Diante de um cenário de reprovações e evasões escolares, surgem novas perspectivas e propostas educacionais, como a da aceleração da aprendizagem, ou seja, projeto de adequação/correção entre a idade série, organização escolar por ciclos, classes aceleradas, todas voltadas para resolver o fracasso escolar.
Enfim, faz-se necessário estabelecer relações de ensino/aprendizagem com os alunos de modo a ensiná-los a ler e escrever com eficiência e não promovê-los simplesmente, sem os pré-requisitos necessários para a série de promoção.

3 METODOLOGIA:
A metodologia utilizada na pesquisa de campo é uma pesquisa eminentemente pedagógica, para produzirmos o conhecimento sobre os problemas vividos pelo profissional com vistas a atingir a melhora da situação e de si mesmo e da coletividade. Aplicando-se o questionário a alunos e professores de duas escolas públicas, constatamos alguns fatores, a partir destes, configuramos como ação educativa que visa à contínua formação e emancipação de todos os sujeitos da prática, levando-nos a refletir sobre a sua essencialidade epistemológica, bem como sobre suas possibilidades investigativas. O pesquisador precisa muitas vezes “agir na urgência e decidir na incerteza” em relação ao fazer docente. Isso não é uma forma de controlar a aprendizagem do educando para obter resultados pré-definidos é um conjunto de regras e técnicas para atingir mais rápido e com eficácia os objetivos estabelecidos no currículo.
Dessa forma, ao realizarmos a pesquisa sugerimos um maior envolvimento, comprometimento, participação, produção dos saberes e produção dos novos conhecimentos da família, dos educadores e educandos.
Esses momentos que sugerimos serão apresentados aqui como “processos pedagógicos intermediários” e podem ser sintetizados em:
- Envolvimento da família na escola;
- Construção da dinâmica do coletivo;
- Produção de novos conhecimentos e socialização dos saberes;
- Análise e avaliação das práticas;
- Valorização das novas dinâmicas compreensivas.
O questionário aplicado na pesquisa de campo tem como objetivo o desenvolvimento da capacidade crítica nos educandos e educadores nos auxiliando a buscar meios na reconstrução da auto-estima do público envolvido, recuperando as habilidades do conhecimento em tarefas teóricas e práticas, e por conseqüência, resgatar o interesse quanto à aprendizagem para que possamos atingir o sucesso escolar.
4 RESULTADO E DISCUSSÃO:
Desde o ensino infantil existem pais despreocupados com a educação de seus filhos, também a desestruturação familiar contribui para problemas futuros no desenvolvimento da aprendizagem do educando.
Na nossa pesquisa entrevistamos 260 educandos e 12 educadores de duas escolas públicas de dois municípios do estado de Rondônia e obtemos os seguintes dados:
Os principais motivos que levam o educando ao fracasso escolar:

Entrevistados
Respostas
Educadores
Educandos
Falta de compromisso dos educadores e educandos
33%
45%
Falta de apoio da família

18%
9%
Condições estruturais da escola
17%
16%
Má formação dos profissionais de educação
22%
19%
Outros

10%
11%
Total

100%
100%

A partir da pesquisa de campo concluímos que educadores e educandos devem estar conscientes da participação da comunidade escolar, trazendo informações sobre fatores que interferem na aprendizagem. Apontando caminhos mais adequados no desenvolvimento da educação.
O relacionamento afetivo entre professores e educandos é extremamente influente no rendimento escolar.
Ainda hoje, faz parte do cotidiano de nossas escolas o fracasso escolar, acarretando a reprovação para a série seguinte. Essa constatação reforça a importância do psicopedagogo institucional no sentido de criar condições juntamente com os educadores para a aprendizagem significativa e eficaz.
O tema discutido é muito abrangente, porém, de fundamental importância para o conhecimento de todos os envolvidos com a educação, depois dos educadores mudarem seus métodos de ensino, a equipe pedagógica e a comunidade escolar perceberem que o problema está muito além da sala de aula, é importante que esses educandos sejam encaminhados para profissionais especializados, diagnosticando os seus problemas e buscando soluções. A boa formação e conscientização dos educandos é que tornará a sociedade mais justa e igualitária, tanto o educador quanto o educando possuem a capacidade de transformarem a realidade em que vivem.

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS:
De acordo com as pesquisas e as nossas experiências vividas no cotidiano escolar, podemos constatar que o fracasso escolar está relacionado a vários fatores.
Diante desse desafio os profissionais da educação e a comunidade escolar deverão unir-se em torno de um projeto pedagógico escolar que apontem novos parâmetros de ação educativa.
Por fim, vale ressaltar que os currículos devem ser modificados, contribuindo para uma aprendizagem mais significativa, pois é preciso atenção ao processo de desenvolvimento dos educandos.

6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
- Revista da Faculdade de Rolim de Moura / Ano IV – Número VIII – Jul./Dez. de 2008.
- Philippe Perrenoud. (Construir as competências desde a escola tradicional.) Bruno Charles Magne. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.
- Poppovic, Exposito & Campos, 1975.
- Lewis. O fracasso de classe social, 1967.
- Hoggart. Fracasso de um sistema social, econômico e político, 1957 e Freitag, 1979; Porto, 1981.
- Libâneo, José Carlos. Didática. São Paulo: Cortez, 1990.
- Bossa, N. A. Fracasso Escolar: Um olhar psicopedagógico: Artmed, 2002-12-12.

[1]Pedagoga Graduada pela UNIR (Universidade Federal de Rondônia – Campus de Rolim de Moura), Pós-Graduada em Inclusão com Ênfase em Educação Especial pela FAROL (Faculdade de Rolim de Moura).


[2]Matemática, Graduada pela UNIR (Universidade Federal de Rondônia – Campus de Ji-Paraná), Pós-Graduada em Inclusão com Ênfase em Educação Especial pela FAROL (Faculdade de Rolim de Moura).

5 comentários:

  1. Queridas, professoras Ana e Tatiane gostei muito do seu artigo.Valeu demais!

    ResponderExcluir
  2. Professoras Ana e Tatiane parabéns pelo trabalho. Me ajudou muito.

    ResponderExcluir
  3. sou do curso de pedagogia da cidade de Oeiras-Pi, o artigo está excelente. parabenizo as professoras pelo trabalho belíssimo, tchal até a proxima.

    ResponderExcluir
  4. sou do curso de pedagogia da cidade de Oeiras-Pi, o artigo está excelente. parabenizo as professoras pelo trabalho belíssimo, tchal até a proxima.

    ResponderExcluir
  5. Hóstio José dos Santos8 de dezembro de 2013 03:54

    Estou ao término do curso de pós-graduação de psicopedagogia pela Uniasselvi, Achei excelente o artigo. Parabéns!

    ResponderExcluir